Menu

Entenda porquê votar sim na proposta do Saúde Caixa

26/10/21
Entenda porquê votar sim na proposta do Saúde Caixa

A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae) farão, nesta terça-feira (26), a partir das 19h, um bate-papo ao vivo, que será retransmitido pela Fetrafi-RS, sobre a manutenção do Saúde Caixa. A proposta construída na mesa de negociação irá à votação nas assembleias que serão realizadas pelos sindicatos da categoria na quinta (28), ou sexta-feira (29), dependendo do sindicato.

Além de explicar a proposta, a live explicará como cada deve fazer para participar das assembleias. Por exemplo, que os empregados, participantes do Saúde Caixa da ativa deverão votar nas assembleias de seus respectivos sindicatos. Os aposentados devem votar no sindicato que era de sua base quando ocorreu a aposentadoria. Os participantes da Funcef devem votar no sindicato da base da agência onde recebe os proventos.

Assembleias

As assembleias de deliberação sobre a proposta de modelo de gestão e custeio do Saúde Caixa acontecerão nos dias 28 e 29 de outubro. Os editais do Rio Grande do Sul já estão publicados no Portal dos Bancários, neste link. Haverá votação on line pelo sistema Vota Bem, presencial, whatsapp e e-mail, dependendo de cada entidade. Confira como está definido no seu sindicato. 

Todo empregado da ativa ou aposentado, participante do Saúde Caixa tem direito ao voto. Para participar pelo Vota Bem, basta acessar o link, inserir seu número de matrícula (sem o zero à esquerda e sem o dígito) e o sistema apresentará três nomes. Clique sobre o próprio nome. Depois é só votar.

O voto será sim, não, ou abstenção. A Fetrafi-RS defende o voto SIM à proposta, que foi negociada pelo Comando Nacional dos Bancários para garantir os princípios e a sustentabilidade do Plano. "A continuidade do Saúde Caixa principalmente para os aposentados e quem ganha menos dependem da aprovação dessa proposta. É muito importante votar sim", reforça a reprentante da Federação na Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa e diretora da Fenae, Rachel Weber.

Resumo da proposta


Mantém o modelo atual, onde:
- a participação da CAIXA no custeio das despesas assistenciais e administrativas limitada a 70% do montante ou ao teto de 6,50%, o que for menor;
- mensalidade do titular no valor de 3,5% da remuneração base e uma mensalidade adicional de 0,4% para cada dependente direto cadastrado no plano, limitado ao teto de 4,3% por titular;
- mensalidade de 0,4% para cada dependente indireto;
- tratamentos oncológicos e internações são isentos de coparticipação;
- coparticipação para consulta em pronto socorro / atendimento corresponderá ao valor fixo de R$ 75 (setenta e cinco reais);
- teto anual de R $ 3.600,00 (três mil e seiscentos reais) por grupo familiar;
- sem aumento nas mensalidades mês a mês, mas com a instituição de uma mensalidade extraordinária também sobre o 13º salário para atender a necessidade de aumento da arrecadação;
- utilização da reserva técnica para evitar contribuições extraordinárias em caso de déficit;
- manutenção do GT Saúde CAIXA com maior acesso a relatórios, dados, acompanhamento de credenciamento e descredenciamento com vistas a dar suporte para a mesa permanente.

Fonte: Contraf-CUT, com edição da Fetrafi-RS





Imprimir está pagina