Menu

Maioria dos gaúchos é contra a venda de ações do Banrisul, diz Ibope

27/09/18
Maioria dos gaúchos é contra a venda de ações do Banrisul, diz Ibope

 

Pesquisa indagou eleitores sobre a venda de parte das ações do banco para atacar crise das finanças.

 

 

A pesquisa Ibope sobre o quadro eleitoral gaúcho realizada entre os dias 13 e 17 de setembro também capturou a opinião do eleitorado sobre a venda de ações do Estado no Banrisul. O Ibope sondou os entrevistados sobre a venda de parte das ações do banco para equilibrar as finanças e os investimentos do Estado. A pesquisa do Ibope também aponta o perfil do eleitor padrão dos candidatos ao governo e a opinião das pessoas sobre temas como legalização do aborto, maconha e pena de morte. 

O resultado apontou que 57% dos ouvidos são contra a venda, enquanto 28% são a favor, 12% não souberam ou não opinaram e 3% não são favoráveis nem contrários à venda. O maior percentual contrário à venda foi verificado entre os mais velhos, acima de 55 anos, faixa em que 64% das pessoas são contrárias. Já entre jovens de 18 a 24 anos, 45% são contra e 31% são a favor, indicando uma divisão maior, sem uma maioria contrária ou a favor da privatização. Mas 19% não sabem ou não responderam.

Na distribuição do eleitorado, a pesquisa indica que a ausência de uma maioria contra ou a favor da medida é verificada na fatia que vota em José Ivo Sartori (MDB) - 49% indicam ser contra a venda, e 38% são favoráveis. Eleitores de Eduardo Leite (PSDB) e Jairo Jorge (PDT) têm comportamento muito semelhante: 62% são contra a alienação de ações, e 26% a favor nos segmentos pró-Jairo Jorge, e 60% são contra e 26% a favor na fatia pró-Leite.

A maior fatia (74%) de contrários à venda é identificada com Miguel Rossetto (PT). Apenas 18% dos que dizem votar no petista são favoráveis à venda. A pesquisa não desagregou dados para eleitores de Julio Flores (PSTU), Mateus Bandeira (Novo) e Roberto Robaina (PSOL).

Ibope mostra opinião por gênero, escolaridade, renda e residência

O Ibope mostra ainda que entre os gêneros, homens e mulheres têm percentuais convergentes quando se trata de não aceitar a venda (57%), mas o apoio à medida é maior entre homens (30%) e menos entre as mulheres (26%). No critério de escolaridade, todos os níveis são majoritariamente contra a venda, mas o percentual é menor entre quem tem Ensino Médio (54%) e maior em quem tem até a quarta série do Ensino Fundamental (66%).

Em relação à renda, pessoas com maior renda se dividem mais sobre a escolha - 50% dos que ganham acima de cinco salários mínimos são contra e 42% são favoráveis. Já 61% de quem ganha até dois salários é contra e 21% favoráveis. Eleitores com renda entre dois e cinco salários, são contrários (57%) e a favor (32%) à alienação de parte do capital.

Quando o critério é residência, as pessoas que moram no interior rechaçam mais a venda - 58% são contrárias, e 27% favoráveis. Na Capital, 53% são contra e 29% a favor. Dos que residem na periferia, 53% são contra e 30% a favor da venda de parte das ações do banco.

Venda de ações do banco volta à cena

Na campanha eleitoral, o único candidato ao governo que mostra ser favorável à privatização do Banrisul é Mateus Bandeira. Os demais apontam a intenção de manter o banco público e intensificar o seu papel no desenvolvimento regional. O candidato Jairo Jorge diz que quer formar um fundo que receberia lucros e dividendos do banco para investir em educação.

A maior parte das ações com direito a voto (ordinárias) está nas mãos do Estado. Para abrir mão desse capital, o governo estadual precisa convocar plebiscito para que os gaúchos se posicionem sobre a venda. O plebiscito precisa antes ter a autorização da Assembleia Legislativa.

O tema da privatização ressurgiu com tudo desde que o Estado começou a renegociar os termos de pagamentos da dívida com a União, em 2016 e 2017. Para o governo estadual aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF), proposto pela União, uma das condições é privatizar ou federalizar estatais.

O ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, chegou a sugerir que o Banrisul poderia ser um dos alvos. O governo de José Ivo Sartori (MDB) negou que isso seria possível. O atual governo vendeu este ano ações preferenciais, sem direito a voto, somando mais de R$ 537,4 milhões, dinheiro que foi usado para pagar despesas, como salários dos servidores.

As operações foram questionadas pela B3 (bolsa de valores) e Comissão de Valores Mobiliários (CVM) devido ao tipo de oferta e valores, chegaram a gerar instauração de inquérito na PF por denúncias de que supostas irregularidades, e depois a CVM considerou que as duas vendas seguiram as regras do mercado e capitais.

Com as vendas ocorridas em abril, o Banrisul fez comunicado ao mercado para esclarecer a mudança na fatia do Estado no capital social total do banco. A participação passou de 50,62% para 49,89%, sendo 201.225.359 ações ordinárias, 751.479 ações preferenciais classe A, e 2.056.962 ações preferenciais classe B, o que corresponde aos percentuais de 98,13%, 48,75%, e 1,02%, respectivamente.

O Ibope entrevistou 1.204 eleitores entre os dias 7 e 13 de setembro. A pesquisa tem margem de erro de três pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. O levantamento, encomendado pela RBSTV, foi registrado no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o código RS-04827/2018.

Informações: Jornal do Comércio (21 de setembro de 2018)

 





Imprimir está pagina