Menu

Decisão confirma direito à gratificação no Banco do Brasil

21/05/18
Decisão confirma direito à gratificação no Banco do Brasil

Justiça do Amapá reforça decisão que vale para todo o Brasil: funcionários que exerciam função em novembro de 2017, há pelo menos dez anos, não podem ter a comissão retirada pelo banco

 

Cláudia Motta, Spbancarios

 

 

Funcionários do Banco do Brasil, que em novembro de 2017 tinham cargo comissionado há no mínimo dez anos, não poderão perder a gratificação, ainda que tenham sido revertidos aos seus cargos anteriores.

A decisão é da 5ª Vara do Trabalho de Macapá e vale para todo o Brasil. A Justiça reitera que, salvo a existência de justo motivo, tal gratificação já se incorporou à remuneração do bancário.

Caso descumpra a decisão, o BB pagará multa diária de R$ 5.000 por trabalhador que tenha a gratificação suprimida ou reduzida. A decisão judicial registrou, ainda, que o valor da gratificação incorporado corresponde à média da gratificação recebida nos últimos dez anos. Ainda que o banco tenha ingressado com recurso, a aplicação da sentença é imediata.

“Mesmo diante das mudanças na lei trabalhista pós-golpe, que acabou com as súmulas, inclusive a 372 que previa o direito à gratificação, houve êxito nessa ação em prol do trabalhador”, comemora o secretário Jurídico do Sindicato e bancário do BB, João Fukunaga. “Mas temos de ter cautela, pois as decisões ainda são frágeis frente ao que o Judiciário pode decidir no TRT. Muita coisa acaba sendo mais política do que técnica, por isso temos de ser vigilantes e estar permanentemente mobilizados ao lado do Sindicato. Não podemos achar que o Judiciário é a solução para tudo.”

> Sindicalize-se e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários
> Assine o boletim eletrônico com notícias específicas do BB

A sentença foi proferida nos autos do processo nº 0001296-75.2017.5.08.0208, ação proposta pelo Sindicato dos Trabalhadores do Ramo Financeiro do Estado do Amapá e tem validade em âmbito nacional. Essa decisão também abrange os caixas.

Nova vitória dos trabalhadores

Essa ação não se confunde com a Ação Civil Pública que tramita em Brasília, onde uma tutela antecipada garante aos empregados atingidos pela reestruturação iniciada em novembro de 2016, a incorporação da média das comissões/gratificações recebidas por no mínimo dez anos.

> BB perde de novo e Justiça mantém pagamento de função

Essa ação afirma que o processo de reestruturação não é motivo suficiente para respaldar a não incorporação das comissões ou gratificações dos bancários.

Já na ação que tramita no Amapá, a tese é relativa à reforma trabalhista e seu impacto nos contratos em vigor para aqueles que, na data da entrada em vigor da Lei 13.467/2017, 11 de novembro de 2017, já contavam com pelo menos dez anos de recebimento de gratificações/comissões.





Imprimir está pagina